Viajar de avião sozinho pela 1ª vez

5/13/2019

Começo esse post sentado no chão da sala de embarque do aeroporto de Brasília. Esperando o meu para Portugal, que será o meu o primeiro voo sozinho e ainda por cima internacional, o que pode dar né? Meu vou é para Lisboa, onde vou encontrar meus pais, mas o cominho até lá é por minha conta.

O dia começou e foi quando realmente caiu a ficha de que eu estava indo para a Europa pela primeira vez e ainda por cima indo por conta própria. Meu voo estava marcado para 17:00, então ainda tinha um tempinho antes de ir para o aeroporto. Foi ai que eu finalmente criei coragem de ir arrumar minha mala. Eu sei, eu sei, não é o ideal e não recomendo, mas devido as circunstancias do momento foi quando consegui. Passar pelo processo desde organizar todos meus documentos, arrumar a mala e lembrar de fazer o check-in por contra própria pela primeira vez é bem diferente. Fazer listas de coisas que não pode esquecer é bem útil. Malas prontas, almocei e quando deu 15:00 fui para o aeroporto.

Chegando no aeroporto, procurei pelo portão do embarque internacional, por conta do aeroporto ser um lugar bem sinalizado, não tive problema. Passei pelo raio-x, tranquilo. A fila da imigração estava lenta e coincidentemente tinha um famoso nela, o Marrone, da dupla sertaneja Bruno & Marrone. Primeiramente não o reconheci, pois não escuto o estilo de musica dele, mas percebi as pessoas em volta comentando e olhando para ele, então perguntei para uma assistente da imigração e ela me disse. Na hora da imigração eu fiquei um pouco tenso, a principio, por eu não tinha ideia de como ia ser aquilo sozinho, mas foi surpreendentemente tranquilo, eu entreguei o passaporte, ela verificou as informações e estava pronto para viajar.

Sai da imigração, passei pelo Duty Free apenas para observar coisas que eu não vou comprar, pois sabia que na Europa vale mais a pena. Já na sala de embarque, fui direto ao meu portão e fiquei esperando por ali. Quando deu a hora do voo, o avião ainda não havia chegado e comecei a ficar um pouco preocupado, tirei o meu fone de ouvido, para caso houvesse algum anúncio nas caixas de som eu não o perdesse. Dito e feito, 15 min depois a TAP anunciou que o voo atrasaria, pelo menos, 1 hora, devido às condições meteorológicas. Normalmente uma noticia dessas, deixa as pessoas tristes, mas no meu caso me deixou aliviado, pois minha viagem não tinha ido por água a baixo (literalmente kkk).

Uma hora depois, a chuva diminuiu e o voo ocorreu normalmente. Entrei no avião um pouco curioso, porque não eu não tinha marcado o meu assento, então não sabia ao certo onde ia ser, e felizmente foi na janela!

O voo tinha 9 horas e foi bem cansativo. No inicio estava tranquilo, assisti um filmes, serviram o jantar super completo com a entrada sendo 2 saladas e um pão com manteiga, de prato principal um escondidinho de carne, e para finalizar baba de camelo (uma clássica sobremesa portuguesa) e para beber um vinho branco. Para um voo internacional eu achei a comida muito boa, os talheres não eram de plástico, e isso me surpreendeu positivamente, o atendimento era excelente e o entretenimento abordo bem diverso. Depois da refeição eu assisti mais um filme e tentei dormir, já sabendo que eu não ia conseguir, porque normalmente eu não consigo dormir no avião.

A cabine com iluminação noturna, e o serviço maravilhoso de entretenimento à bordo da TAP (Filme: O Retorno de Mary Poppins, recomendo 😉)

Janela do avião, já se aproximando de Portugal 

O avião pousou, desembarquei e tive que passar pela imigração e dessa vez eu sabia que ia ser um pouco mais complicado do que no Brasil, porque você chegar em outro país é realmente um processo bem burocrático, pois eles precisam verificar todos os documentos e principalmente nessa época na Europa, eles estão tomando cuidado extra devido aos atentados terroristas. Depois de responder algumas perguntas, meu passaporte foi carimbado e fui liberado.

Sai da imigração, peguei minha mala e fui em direção ao metro que fica pertíssimo do aeroporto, só que do lado de fora. Quando sai do aeroporto olhei para cima e me deparei com a seguinte visão: o céu estava um azul bem claro o sol já havia raiado, e o dia estava pronto para começar. Tudo tinha dado certo, consegui cumprir o desafio de viajar sozinho,

Quando sai do aeroporto, dei alguns passos para frente, parei e observei a cena em volta. O céu estava um azul bem claro e o sol iluminando aquele belíssimo dia em Lisboa, as pessoas em volta cada um com sua vida, e na minha cabeça parecia que tudo estava em câmera lenta. Eu tinha conseguido, eu finalmente estava lá, pronto para começar minha viagem. Me veio um sentimento que eu nunca tinha sentido antes, algo indescritível e me deixou muito mais animado para a viagem. São coisas desse tipo que você só sente quando você se dispões à fazer coisas fora da sua zona de conforto e elas realmente dão resultado.

Voltando pra realidade, depois desse devaneio, eu ainda tinha mais uma coisa para fazer. Tinha que pegar o metro para o hotel, onde encontraria meus pais. Eu literalmente olhei para o lado e vi a placa indicando a estação de metro. Desci as escadas e fui pro caixa comprar o passe, então, desci até a plataforma de embarque e esperei pelo metrô, que enfim embarquei, super fácil de usar, as linhas são poucas sendo bem intuitivas, sendo bem difícil se perder.

O vagão vazio que peguei quando saí do aeroporto (depois encheu, pois era horário de pico, 6 da manhã)

Saí da estação Aeroporto e desci na estação Marquês de Pombal, tendo que trocar de linha apenas uma vez (linha vermelha para a azul). Saindo da estação, fui andando pela praça até meu hotel. Chegando lá, fiz meu check-in, deixei as malas no meu quarto e fui aproveitar meu delicioso e merecido pequeno-almoço (como chamam café da manhã lá). Enquanto aproveitava o buffet, encontrei meus pais e foi ai que toda a emoção dessa aventura de viajar sozinho acabou.

A Praça Marquês de Pombal, estação onde desci, próxima ao meu hotel

Você também vai gostar

0 comentários